As 3 notícias da semana que mostram a retomada da economia

A semana trouxe boas notícias nas áreas de mercado de trabalho, atividade econômica e preços de ativos, o que fortalece discurso de retomada da economia

São Paulo – A semana que passou trouxe boas notícias da economia brasileira nas áreas de mercado de trabalho, atividade econômica e preços de ativos.

Os dados foram comemorados pelo governo de Michel Temer, que conta com a retomada do crescimento para se fortalecer politicamente.

Veja o que aconteceu na semana que passou:

Queda do desemprego

Na quinta-feira (31), o IBGE divulgou que a taxa de desemprego no Brasil  caiu de 13% nos três meses até abril para 12,8% nos três meses até julho.

O resultado ficou abaixo da expectativa de 13% captada em pesquisa da Reuters e mostrou tanto queda no número absoluto de desempregados quanto alta na população ocupada.

Na comparação com o trimestre encerrado em julho de 2016, houve queda de 2,9% no emprego no setor privado com carteira assinada enquanto o emprego sem carteira subiu 5,6%.

Ou seja, a volta do emprego ainda está muito calculada na informalidade e no trabalho por contra própria, além da dinâmica salarial não estar fortalecendo (ainda) a retomada.

“Ainda se demite pessoas com salários elevados e contrata-se pessoas com salários baixos. No caso da indústria, essa relação é bem mais grave. Mesmo com o saldo positivo do volume de emprego (…) ainda há retirada líquida de recursos da economia. A tendência, entretanto, é de entrarmos 2018 com esse saldo positivo”, diz nota sobre PIB assinada por Sérgio Vale, economista-chefe da MB Associados.

Alta do PIB

O IBGE anunciou na sexta-feira (01) que o Produto Interno Bruto (PIB) cresceu 0,2% no 2º trimestre em relação ao 1º, sobrevivendo à renovação da crise política sem uma nova queda.

Houve alta de 0,3% em relação ao mesmo período do ano passado, o primeiro resultado positivo nessa medida após 12 trimestres de tombos.

O número principal é menos vigoroso do que no começo do ano, mas a dinâmica de recuperação ficou mais espalhada e consistente.

“Esperamos que a recuperação cíclica se torne mais visível e entrincheirada na segunda metade do ano”, diz a nota de Alberto Ramos, chefe de pesquisa de América Latina do Goldman Sachs.

Isso levou analistas a revisar para cima as previsões de crescimento em 2017. Veja as mudanças:

  Antes Depois
GO Associados 0,5% 0,6%
MB Associados 0,3% 0,7%
Ibre/FGV 0,6% 0,7%
Goldman Sachs 0,7% 0,9%

Recordes na Bolsa

O avanço no PIB levou euforia ao mercado e fez com que o Ibovespa chegasse aos 72 mil pontos, maior patamar alcançado pelp índice desde novembro de 2010, quando registrou 72.109 pontos. O Risco País fechou em 193 pontos, a menor taxa do governo Temer.

A Bolsa já vinha em uma boa onda: o volume fnanceiro médio diário da Bovespa interrompeu dois meses de queda em agosto e subiu 37,7% ante julho, a maior alta desde novembro do ano passado.

Agenda

A semana que vem também será de sinalizações importantes. Na manhã da quarta-feira (06), o IBGE divulga os números de inflação em agosto, e no fim da tarde do mesmo dia, o Copom divulga sua decisão sobre a taxa de juros.

A expectativa é de novo corte de 1 ponto percentual levando a taxa dos atuais 9,25% para 8,25%, cada vez mais próxima da sua  baixa histórica de 7,25%.