Não faltará oportunidade para quem desenvolver este tipo de inteligência

Atualização: “Como instalar um novo software mental para mudar a forma de pensar no trabalho” (NiroDesign/Thinkstock)

Especialista em transição de carreira explica o que é inteligência mercadológica e como será fundamental para todo profissional

São Paulo – No meio da estrada, um homem viajava de carro para o interior de São Paulo quando viu um trator fazendo uma grande terraplanagem.

Curioso, ele parou na estrada, pulou a cerca do terreno e foi questionar que projeto era aquele. O tratorista sabia apenas que ali seria uma fábrica. Ainda sem sanar sua curiosidade, o profissional foi até a prefeitura, afinal toda obra precisa de uma licença.

Ele, então, descobriu que o terreno seria uma cervejaria em dois anos e foi atrás da empresa para oferecer seus serviços na área de projetos.

José Augusto Minarelli ficou impressionado ao ouvir a história do seu cliente, um feito relevante para o presidente da consultoria Lens Minarelli, que há 36 anos se especializa em transição de carreira e aconselhamento para executivos.

Ele ficou fascinado pelo olhar do seu assessorado, que viu oportunidades onde só havia terra. E essa visão se encaixava com sua teoria para uma nova inteligência que será crucial no novo momento do mercado de trabalho: a inteligência mercadológica.

Para Minarelli, o profissional demonstrou que está pronto para enfrentar o novo modelo de trabalho, um mundo em que as oportunidades precisam ser criadas.

“Quando comecei em 1982, ter um emprego significava seguir um modelo predominante, todos pensavam como funcionários, alguém que recebe ordens e tarefas do chefe em um escritório tradicional. Isso mudou e a mente dos profissionais tem que mudar também. Deixando de lado simples executores de tarefas, agora o mercado quer provedores de soluções”, explica ele.

A boa notícia é que a inteligência para se destacar no mercado pode ser treinada. Assim como preparamos o corpo para correr uma maratona. É preciso esforço constante e um preparo mental. “Como instalar um novo software mental para mudar a forma de pensar no trabalho”, explica ele.

É assim que Minarelli vê esse olhar diferenciado. Segundo ele, a maioria das pessoas tem miopia mercadológica: ao ler um texto ou olhar a sua volta, registram apenas o que estão vendo na superfície, mas nada além disso.

A força do profissional que se destaca está em enxergar as oportunidades e demandas do mundo que se relacionam com as competências que tem para oferecer.

“Se existe um problema, as necessidades humanas determinam a demanda por serviços. Então haverá trabalho e remuneração”, fala o consultor. “Se a demanda mudar, será preciso adquirir novos conhecimentos para atendê-la”.

A capacidade de mudar de acordo com sua interpretação do ambiente ou de adquirir novas competências e agregar novas tecnologias independente da sua área de atuação é outra característica desse tipo de inteligência.

Ilustres conhecidos

Depois de aguçar a mente e a visão, chega a hora de investir na sua comunicação. Minarelli explica que o mercado é feito de pessoas se encontrando com ofertas e demandas. O profissional inteligente nesse meio tem interesse pelo outro. “Ele dialoga com foco, sabe induzir o outro a perceber o que tem a oferecer”, diz.

Muito diferente de ser interesseira, a troca com inteligência mercadológica atende necessidades e é feita de forma genuína. Ela resolve problemas e deixa claro que está ali para isso. “Confiança é base da repetição da troca. Ela depende da experiência bem sucedida no contato. Ela pode se fortalecer ou se diluir”, explica Minarelli.

Assim, a pessoa constrói sua reputação com base em um bom trabalho e sua rede de conhecidos. Todas as capacidades auxiliam a manter a relevância diante da competição.

Minarelli também fala que é possível aprender a vender e a se comunicar melhor, mas o caminho para promover a troca e se tornar protagonista de sua carreira é saber ouvir o outro.

“A maior parte das pessoas que conhecemos não tem poder de nos contratar, elas podem nos dar informações, fazer intermediação ou emprestar prestígio para sermos atendidos por terceiros. Se você for vago, fica difícil receber essa ajuda. É preciso entrar na conversa com uma intenção e saber escutar”, avisa ele.